O Som ao Redor será lançado em janeiro de 2013

O Som ao Redor - pontocedecinema.blog.br

Dirigido por Kleber Mendonça Filho, O Som ao Redor vem colecionando prêmios nos festivais onde passa

Escolhido como Melhor Longa pelo júri oficial do 8º Panorama Internacional Coisa de Cinema, o filme pernambucano O Som ao Redor, que está com previsão de estreia para o mês de janeiro de 2013, também recebeu o prêmio Itamaraty de melhor longa de ficção, concedido pelo Ministério das Relações Exteriores, na 36ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

O filme de Kleber Mendonça Filho, que coleciona prêmios nos festivais onde passa, apareceu logo como um dos destaques do Panorama, que consagrou também o longa Doméstica (PE), de Gabriel Mascaro, com o Prêmio Especial do Júri, em cerimônia realizada quinta-feira à noite precedida pela exibição em cópia restaurada do clássico Viagem à Lua (1902), de Georges Méliès.

Mascaro recebeu ainda o Prêmio Especial do Júri por A Onda Traz, O Vento Leva, na categoria Curtas, em que venceu o cearence Dizem Que os Cães Veem Coisas, de Guto Parente, curioso e bem-humorado ensaio cinematográfico sobre as convenções sociais, que desbancou títulos vencedores nos festivais de Gramado e Brasília como Menino do Cinco (Ba) e A Mão Que Afaga (SP).

O Júri Jovem elegeu Esse Amor Que Nos Consome (RJ), de Allan Ribeiro, como Melhor Longa, e Odete (CE), de Ivo Lopes Araújo, Clarissa Campolina e Luiz Pretti, como Melhor Curta. Na categoria Curtas Baianos, Arremate, de Rodrigo Luna, e Desvelo, de Clarissa Rebouças, dividiram a premiação pelo júri oficial. O júri da ABCV escolheu Joelma, de Edson Bastos, e o Prêmio Cineclube Mário Gusmão ficou com O Cadeado, de Leon Sampaio.

CINEMA BAIANO – Aliás, é preciso que se dê o destaque necessário para os filmes baianos em competição: com produção bem-cuidada, em sua maioria, alguns revelaram-se bem acima da média. Vislumbram-se novos ventos e melhor safra ainda, antecipada pelas premiações em outros festivais para Menino do Cinco, de Wallace Nogueira e Marcelo Matos de Oliveira, e A Mão Que Afaga, este produção paulista dirigido pela baiana Gabriela Amaral Almeida.

Destaco A Descoberta, de Ernesto Molinero, filme ajustado em seu tempo e atmosfera com a proposta narrativa em torno de um momento que se inaugura na vida de uma criança, e Anti-performance, em que Daniel Lisboa leva o artista baiano Jayme Figura a uma viagem de avião a São Paulo dominada por espanto, estranhamento e apreensão.

Mas surpreendente mesmo é Arremate, filme de Rodrigo Luna, de oito minutos apenas, com solo admirável do ator Narcival Rubens, ao telefone, no papel de um homem que se vê atraído pelas facilidades oferecidas por uma atendente de uma empresa de contratação de execuções sumárias. Irreverente, minimalista, de um humor corrosivo poucas vezes visto hoje no cinema.

Leia comentário sobre os principais concorrentes e vencedores do 8º Panorama Internacional Coisa de Cinema.

Confira a relação dos premiados:

Júri Oficial Competição Nacional
Melhor Longa – O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho (R$ 10 mil)
Prêmio Especial do Júri – Doméstica, de Gabriel Mascaro (R$ 12 mil em serviços, oferecidos pelos estúdios Quanta)

Melhor Curta – Dizem que os Cães Veem Coisas, de Guto Parente (R$ 10 mil oferecidos pelo IRDEB)
Prêmio Especial do Júri – A Onda Traz, O Vento Leva, de Gabriel Mascaro
Menção Honrosa – Luna e Cinara, de Clara Linhart
Menção Honrosa – Odete, de Ivo Lopes Araújo, Clarissa Campolina e Luiz Pretti

Júri Jovem Competição Nacional
Melhor Longa – Esse Amor que Nos Consome, de Allan Ribeiro
Melhor Curta – Odete, de Ivo Lopes, Clarissa Campolina e Luiz Pretti

Júri Oficial Curtas Baianos
Melhor Curta – Arremate, de Rodrigo Luna (R$ 5 mil); e Desvelo, de Clarissa Rebouças (R$ 6 mil em serviços, oferecidos pelos estúdios Quanta)
Menção Honrosa – Rua dos Bobos, de Ohana Almeida

Prêmio ABCV (troféu confeccionado por Leonel Mattos)
Menção Especial: A Descoberta, de Ernesto Molinero
Prêmio ABCV / ABD-BA: Joelma, Edson Bastos

Prêmio Cineclube Mário Gusmão (júri formado em Cachoeira)
O Cadeado, de Leon Sampaio