Panorâmica no festival Coisa de Cinema

O Som ao Redor - pontocedecinema.blog.br

O Som ao Redor, filme de Kleber Mendonça Filho: interessa aquilo que está dentro e fora da tela

O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, não há como escapar disso, é o destaque da mostra competitiva de longas do 8º Panorama Internacional Coisa de Cinema. Coberto de prêmios nos festivais por onde passa (dentre eles, Rio, Roterdã e Gramado), merece os elogios.

Fala-se muito do desenho sonoro do filme. Não dá para ficar imune: o que está dentro do quadro é o que importa como motivo dramático, claro, mas também o que deveria ser apenas circunstancial, ou estar fora da tela, interessa, como o vaivém de ondas do mar, a buzina de um carro, o bater de um martelo.

Não é novidade. No cinema sempre vimos isso. Mas o filme de Kleber é singular ao nos lançar por essa perspectiva com estardalhaço. E quando nos lança nesse emaranhado, é porque fala também, e sobretudo, de vizinhança, de incômodo do ‘em torno’, do que está, sim, ‘ao redor’ de nós e não apenas dos nossos ouvidos.

O filme então se abre em um painel grandiloquente cruzando pequenas histórias em um bairro classe-média de Recife que seria apenas o cinema independente norte-americano mimetizado, com influência de Short Cuts, de Robert Alman, e Felicidade, de Todd Solondz, não fosse aquele ‘som ao redor’ singular um sinal de alerta para o que nos espreita (inclusive o perigo) e invade.

Boa Sorte, Meu Amor - pontocedecinema.blog.br

Boa Sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão: vazios e tormentos em viagem de volta às origens

BOA SORTE, MEU AMOR – O Som ao Redor dialoga mais francamente com Boa Sorte, Meu Amor, filme estiloso, também de Pernambuco, em preto e branco, que tem a ver com a volta às origens. Uma origem que de certa forma não interessa muito aos personagens de Kleber Mendonça, senão ao patriarca dono de um engenho e de quase todos os prédios da vizinhança. Raposa velha que é, por isso mesmo, desde o início, ele deveria estar atento aos sinais para que a força contrária, ‘em volta’, não lhe sobreviesse com o impacto de mil canhões.

Boa Sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão, prêmio de melhor direção e som no Festival de Brasília, conta a história de Dirceu, um jovem que estaria bem na pele de um dos netos de patriarca de O Som ao Redor. Filho de latifundiários do sertão pernambucano, parece que nada fascina o rapaz, tudo o angustia, até que ele encontra Maria, a mulher por quem se apaixona, e se lança em uma angústia existencial pior ainda.

E com Dirceu vamos nós, espectadores, mergulhados no vazio (em anticlímax quase permanente) que em alguns momentos lembra o deslumbrante Tetro, mas, ao contrário do filme de Francis Ford-Coppola, não desata os nós jamais. Tudo é uma questão de saber lidar com os os tormentos nesse filme que nos pede tempo e paciência para absorver sua natureza encantada.

Esse Amor Que Nos Consome - pontocedecinema.blog.br

Esse Amor Que Nos Consome: filme que impregna de arte, poesia e humor atmosfera dominada pela incerteza

ESSE AMOR QUE NOS CONSOME – Sobre Esse Amor Que Nos Consome, de Allan Ribeiro, prêmio de melhor direção de arte em Brasília, já falei aqui e repito: dois homens ocupam um casarão abandonado no centro do Rio de Janeiro, onde passam a fazer os ensaios de sua companhia de dança. Só que o casarão está à venda. Trata-se de um filme que se resolve bem ao impregnar de arte, poesia e humor, por vezes surpreendente, uma atmosfera dominada pela incerteza.

DOMÉSTICA – Gabriel Mascaro, em Doméstica, lança o publico à tela bruta, destituída de encanto, em que vale a ideia de entregar a câmera a adolescentes para que registrem uma semana na vida de suas empregadas (e um empregado doméstico). Há um certa curiosidade, sim, momentos de sentimento profundo, mas preferia ver o campo visual melhor trabalhado como em outros filmes de Mascaro – Avenida Brasília Formosa, Um Lugar ao Sol e mesmo A Onda Traz, O Vento Leva, curta também em competição nesse Panorama, que acompanha um jovem surdo soropositivo em seu cotidiano em casa, cuidando da filha, e no trabalho de instalador de som em carro.

AS HIPER-MULHERES – De Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, é uma viagem etnográfica pela tribo indígena Kuikuro em um momento de apreensão: um tio que está com a esposa à beira da morte pede ao sobrinho que realize o Jamurikumalu, um ritual feminino do Alto Xingu. Mas a única mulher que sabe os cânticos, além da idosa, também está doente. As outras terão que se lançar no aprendizado. O resultado é um mergulho em um universo que aos poucos vai se delineando em suas intenções de registro de transmissão de conhecimento. O filme levou os prêmios da crítica, do público e do júri oficial do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba.

OTTO – Diretor de Ex-Isto, belo filme inspirado em Catatau, de Paulo Leminski, que imaginou a vinda de Descartes ao Brasil com Maurício de Nassau, o mineiro Cao Guimarães vem com outra provocação: em Otto, que ganhou o prêmio de melhor documentário no Festival de Brasília, ele acompanha a gravidez de sua mulher, Florencia Martínez, que conheceu em um cinema em Montevidéu, e o nascimento do filho que dá título ao filme. Ensaio poético de único fôlego, com 71 minutos de duração, destaca-se principalmente pela bela fotografia.

O Panorama tem mais dois programas em sua mostra competitiva nacional: hoje à noite serão exibidos o longa O Que Se Move, (SP), de Caetano Gotardo, e os curtas Ausência (SP), de Jardel Tambani, e Odete (CE), de Luiz Pretti e Clarissa Campolina. Amanhã, a competitiva se fecha com A Cidade É Uma Só (DF), de Adirlei Queirós, Dia Estrelado (PE), de Nara Normande, e Dona Sônia Pediu Uma Arma para Seu Vizinho Alcides (MG), de Gabriel Martins.

Veja a seguir a programação completa do Panorama até quinta, dia do encerramento:

TERÇA-FEIRA (30/10)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – GLAUBER ROCHA SALA 1
13h30 – Competitiva Nacional VI
Laje do Céu, de Leonardo França. BA, 15?, Cor, Digital, 2012
A Onda Traz, O Vento Leva, de Gabriel Mascaro. PE, 25?, Cor, Digital, 2012
Otto, de Cao Guimarães. MG, 70?, Cor e P&B, Digital, 2012

15h35 – Panorama Internacional II
Crazy Horse, de Frederick Wiseman, França/ EUA, 130?, Cor, 2011

18h – Panorama Internacional V
Da Maré, de Annie Eastman. EUA, 74?, Cor, Digital, 2012
Conversa com a diretora após a sessão.

20h – Panorama Internacional IV
Os Barcos, de Caetano Gotardo e Thais de Almeida Prado, SP, 23?, Cor, Digital, 2012
Tabu, de Miguel Gomes. Portugal, 118?, P&B, Digital, 2012

ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – GLAUBER ROCHA SALA 2
18h30 – Homenagem à Pornochanchada II
Volúpia de Mulher, de John Doo. SP, 85?, Cor, 35mm, 1984
Classificação: 18 anos

20h10 – Competitiva Nacional VII
Ausência, de Jardel Tambani. SP, 8?, Cor, Digital, 2012
Odete, de Ivo Lopes Araújo, Luiz Pretti, Clarissa Campolina. CE, 16?, Cor, Digital, 2012
O Que Se Move, de Caetano Gotardo. SP, 97?, Cor, 35mm, 2012
Conversa com os diretores após a sessão.

CAHL – CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS/UFRB
18h – Animage – Festival Internacional de Animação de Pernambuco
OH WILLY…
Emma De Swaef e Marc James Roels, Bélgica, 16?, 2012
Prêmio de melhor direção e fotografia.
VILLA ANTROPOFF
Kaspar Jancis e Vladimir Leschiov, Estônia, 13’04?, 2012
Prêmio de melhor roteiro.
LINEAR
Amir Admoni, Brasil, 6?, 2012
Prêmio de melhor curta brasileiro.
THE BANKER
Phil Mulloy, Reino Unido, 3?, 2012
NAK-TA-DEUL
Park Jee-youn, Coréia do Sul, 10’30”, 2011
UNA FURTIVA LAGRIMA
Carlo Vogele, França, 3’08”, 2012
LE GRAND AILLEURS ET LE PETIT ICI
Michèle Lemieux, Canadá, 14’25”, 2012
Prêmio de melhor curta.
Conversa com Nara Normande, curadora do Animage, após a sessão.

20h – Competitiva Nacional de Curtas
Dia Estrelado, de Nara Normande. PE, 17?, Cor, 35mm, 2012
Dona Sônia pediu uma arma para seu vizinho Alcides, de Gabriel Martins. MG, 18?, Cor, Digital, 2012
O Duplo, de Juliana Rojas. SP, 25?, Cor, 35mm, 2012
Conversa com os diretores após a sessão.

21h45 – Sessão de Encerramento
Viagem à Lua (Vouyage dans La lune), de George Méliès, França, 12?, 1902

SALA WALTER DA SILVEIRA
14h – Panorama Brasil VII
Barbeiros, de Luiz Ferraz e Guilherme Aguilar. SP, 16?, Cor, Digital, 2012
Pátria, de Fábio Meira. SP, 26?, Cor, Digital, 2012
HU, de Pedro Urano e Joana Traub Cseko. RJ, 78?, Cor, Digital, 2012

16h15 – Panorama Brasil VIII
Adorável Criatura, de Dellani Lima. MG, 9?, Digital, 2012
Serra do Mar, de Iris Junges. SP, 15?, Cor, Digital, 2012
Corpo Presente, de Marcelo Toledo e Paolo Gregori. SP, 75?, Cor, Digital, 2012

18h10 Panorama Brasil IX
Di Melo – O Imorrível, de Alan Oliveira e Rubens Pássaro. PE, 24?, Cor, Digital, 2012
Licuri Surf, de Guile Martins. SP, 15?, Cor, Digital, 2012
Estradeiros, de Sergio Oliveira e Renata Pinheiro. PE, 79?, Cor, Digital, 2012

QUARTA-FEIRA (31/10)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – GLAUBER ROCHA SALA 1
14h – Competitiva Nacional II
As Hiper Mulheres, de Carlos Fausto, Leonardo Sette, Takumã Kuikuro. PE, 80?, Cor, Digital, 2011

15h35 – Homenagem à Pornochanchada V
Ninfas Diabólicas, de John Doo. SP, 85?, Cor, 35mm, 1978?
Classificação: 18 anos

17h15 – Homenagem à Pornochanchada III
O Império do Desejo, de Carlos Reichenbach. SP, 95?, Cor, 35mm, 1980
Classificação: 18 anos

19h30 – Competitiva Nacional VIII
Dia Estrelado, de Nara Normande. PE, 17?, Cor, 35mm, 2012
Dona Sônia pediu uma arma para seu vizinho Alcides, de Gabriel Martins. MG, 18?, Cor, Digital, 2012
A cidade é uma só?, de Adirley Queirós, DF, 80?, Cor, Digital, 2011
Conversa com os diretores após a sessão.

ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – GLAUBER ROCHA SALA 2
18h30– Competitiva Baiana II
Entre Passos, de Elen Linth, 10?, Cor, Digital, 2012
Desvelo, de Clarissa Rebouças, 15’10, Cor, Digital, 2012
Joelma, de Edson Bastos , 20?, Cor, Digital, 2012
Isso não é o Fim, de João Gabriel, 15’30”, Cor, Digital, 2012
Es4escape, de Alexandre Guena, 20?, Cor, Digital, 2012
Conversa com os diretores após a sessão.

20h40 – Panorama Brasil X
Ritos de Passagem, de Chico Liberato. BA, 90?, Digital, 2011
Conversa com o diretor após a sessão.

SALA WALTER DA SILVEIRA
14h – Panorama Brasil VI
Epifânio, de Gláucia Barbosa. CE, 23?, Cor, Digital, 2012
Versão Francesa, de Maya Da-Rin. RJ, 19?, Cor, Digital, 2012
As Horas Vulgares, de Rodrigo de Oliveira e Vitor Graize. ES, 123?, PB, Digital, 2011

17h – Panorama Brasil V
Piove, Il Film Di Pio, de Thiago Brandimarte Mendonça. SP, 15?, Cor, Digital, 2012
A Vida Noturna das Igrejas de Olinda, de Mariana Lacerda. PE, 19?, Cor, Digital, 2012
Água de Meninos, de Fabíola Aquino. BA, 52?, Cor, Digital, 2012

18h40 – Panorama Brasil IV
Orwo Foma, Karen Black e Lia Letícia. RJ, 4?, PB, Digital, 2012
Meu amigo mineiro, de Victor Furtado e Gabriel Martins. CE, 23?, Cor, Digital, 2012
Ardor Irresistível, de Ava Rocha. RJ, 72?, Cor, Digital, 2012

QUINTA-FEIRA (01/11)
ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – GLAUBER ROCHA SALA 1
14h30 – Competitiva Nacional I/ VIII
A Anti-Performance, de Daniel Lisboa. BA, 11?, Cor, Digital, 2012
A Cidade é uma só?, de Adirley Queirós. DF, 80?, Cor, Digital, 2012

16h20 – Panorama Internacional V
Da Maré, de Annie Eastman. EUA, 74?, Cor, Digital, 2012
Conversa com a diretora após a sessão.

18h20 – Animage – Festival Internacional de Animação de Pernambuco
OH WILLY…
Emma De Swaef e Marc James Roels, Bélgica, 16?, 2012
Prêmio de melhor direção e fotografia.
VILLA ANTROPOFF
Kaspar Jancis e Vladimir Leschiov, Estônia, 13’04?, 2012
Prêmio de melhor roteiro.
LINEAR
Amir Admoni, Brasil, 6?, 2012
Prêmio de melhor curta brasileiro.
THE BANKER
Phil Mulloy, Reino Unido, 3?, 2012
NAK-TA-DEUL
Park Jee-youn, Coréia do Sul, 10’30”, 2011
UNA FURTIVA LAGRIMA
Carlo Vogele, França, 3’08”, 2012
LE GRAND AILLEURS ET LE PETIT ICI
Michèle Lemieux, Canadá, 14’25”, 2012
Prêmio de melhor curta.
Conversa com Nara Normande, curadora do Animage, após a sessão.

20h30 – Sessão de Encerramento
Viagem à Lua (Vouyage dans La lune), de George Méliès, França, 12?, 1902.
Com acompanhamento musical da banda BaianaSystem.

21h – PREMIAÇÃO

ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – GLAUBER ROCHA SALA 2
18h – Homenagem à Pornochanchada VI
Senta no meu que eu entro na tua, de Ody Fraga. SP, 90?, Cor, 35mm, 1985
Classificação: 18 anos

19h45 – Homenagem à Pornochanchada IV
Fuk, Fuk à Brasileira, de Jean Garrett. SP, 80?, Cor, 35mm, 1986
Classificação: 18 anos

SALA WALTER DA SILVEIRA
14h – Panorama Brasil IX
Di Melo – O Imorrível, de Alan Oliveira e Rubens Pássaro. PE, 24?, Cor, Digital, 2012
Licuri Surf, de Guile Martins. SP, 15?, Cor, Digital, 2012
Estradeiros, de Sergio Oliveira e Renata Pinheiro. PE, 79?, Cor, Digital, 2012

16h15 – Panorama Brasil VIII
Adorável Criatura, de Dellani Lima. MG, 9?, Digital, 2012
Serra do Mar, de Iris Junges. SP, 15?, Cor, Digital, 2012
Corpo Presente, de Marcelo Toledo e Paolo Gregori. SP, 75?, Cor, Digital, 2012

18h10 – Panorama Brasil VII
Barbeiros, de Luiz Ferraz e Guilherme Aguilar. SP, 16?, Cor, Digital, 2012
Pátria, de Fábio Meira. SP, 26?, Cor, Digital, 2012
HU, de Pedro Urano e Joana Traub Cseko. RJ, 78?, Cor, Digital, 2012

FESTAS e PONTOS DE ENCONTRO
Dia 01/11
BaianaSystem, no foyer do Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha, a partir das 22h.