Sem grandes surpresas, Globo de Ouro consagra La La Land; Meryl Streep faz discurso contundente contra Trump

Premiação em Hollywood aposta em novos nomes como Damien Chazelle, Barry Jenkins e Donald Glover

La La Land - Cantando Estações

O filme bateu o recorde na premiação: sete estatuetas

O Globo de Ouro consagrou La La Land: Cantando Estações, que ganhou as sete estatuetas às quais concorria em Comédia ou Musical, Moonlight: Sob a Luz do Luar (Melhor Filme – Drama) e a francesa Isabelle Huppert (Melhor Atriz – Drama) por Elle, filme que também ganhou o prêmio de melhor produção em língua estrangeira, recebido pelo holandês Paul Verhoeven.

A festa da Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood levou vantagem em relação ao Oscar 2016, criticado por não indicar negros,  e continua com a prerrogativa de ser, entre os prêmios que se multiplicam na temporada,  a grande prévia da maior festa da indústria cinematográfica, que acontece em 26 de fevereiro.

O Globo de Ouro não apenas indicou como premiou artistas negros, capitaneados pelo praticamente desconhecido Barry Jenkins, 37 anos, que alçou voo com Moonlight, ao adaptar a peça autobiográfica In Moonlight Black Boys Look Blue, de Tarell Alvin McCraney, sobre a vida de um homossexual negro criado em Miami.

Também consagrou Viola Daves como Melhor Atriz Coadjuvante – Drama por Cercas, Tracee Ellis Ross, como Atriz em Série Musical ou Comédia por Black-ish, e, Melhor Ator, o jovem Donald Glover, de 33 anos, um dos criadores da série Atlanta, que também ganhou como Melhor Série – Musical ou Comédia.

Premiado com Direção (Damien Chazelle, 31 anos, de Whiplash), Roteiro (Chazelle), Atriz (Emma Stone), Ator (Ryan Gosling), Canção Original e Trilha Sonora, além de Melhor Filme – Comédia ou Musical, La La Land é um musical que marca o encontro e a paixão entre um pianista de jazz e uma aspirante a atriz em Los Angeles.

É um sério candidato a várias indicações ao Oscar, assim como Moonlight,  Manchester à Beira-Mar, que deu o prêmio de Melhor Ator a Casey Affleck, e Animais Noturnos, premiado com Ator Coadjuvante para Aaron Taylor-Johnson.

Aliás, Taylor-Johnson foi uma das surpresas da noite, ao bater Jeff Bridges, em A Qualquer Custo, e Mahershala Ali, por Moonlight. Outra surpresa, The Night Manager, recebeu os prêmios de Melhor Ator (Tom Hiddleston), Ator Coadjuvante (Hugh Laurie) e Atriz Coadjuvante (Olivia Coleman) na categoria Minissérie ou Filme de TV.

The Crown venceu Game of Thrones, Stranger Things e Westworld em Melhor Série – Drama e deu o prêmio de Melhor Atriz para Claire Foy.

Sucesso no Emmy, The People vs O.J. Simpson: American Crime Story ganhou em Melhor Minissérie ou Filme para TV e Melhor Atriz (Sarah Paulson). Em Filme de Animação, ganhou o favorito: Zootopia – Essa Cidade é o Bicho.

Em uma noite sem tanta emoção, alguns momentos soaram mais comoventes, como a homenagem a Debbie Reynolds e Carrie Fisher, a presença de Meryl Streep  ao receber o prêmio Cecil B. DeMille – e fazer um discurso contundente que provocou a ira de Donald Trump -,  Paul Verhoeven agradecendo a imprensa estrangeira por premiar um filme como Elle e Isabelle Huppert explodindo de alegria.

“Meu coração está batendo. Será que vocês conseguem escutar o que está acontecendo?”, disse a intérprete de Michèle, em Elle, para em seguida completar: “Não esperem que o cinema tenha fronteiras, pois não tem”.

Matéria publicada no jornal A Tarde.

Os vencedores

CINEMA

MELHOR FILME – DRAMA – “Moonlight”, de Barry Jenkins

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL – “La La Land: Cantando Estações”, de Damien Chazelle

MELHOR DIRETOR – Damien Chazelle, por “La La Land: Cantando Estações”

MELHOR ATOR – DRAMA – Casey Affleck, por “Manchester à Beira-Mar”

MELHOR ATRIZ – DRAMA – Isabelle Huppert, por “Elle”

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL – Ryan Gosling, por “La La Land: Cantando Estações”

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL – Emma Stone, por “La La Land: Cantando Estações”

MELHOR ATOR COADJUVANTE – DRAMA – Aaron Taylor Johnson, por “Animais Noturnos”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – DRAMA – Viola Davis, por “Cercas”

MELHOR ROTEIRO – “La La Land” (Damien Chazelle)

MELHOR ANIMAÇÃO – “Zootopia”, de Byron Howard e Rich Moore

MELHOR CANÇÃO – “City of Stars” de “La La Land: Cantando Estações”

MELHOR TRILHA SONORA – “La La Land: Cantando Estações”

MELHOR FILME ESTRANGEIRO – “Elle”, de Paul Verhoeven (França)

TELEVISÃO

MELHOR SÉRIE –  DRAMA -”The Crown”

MELHOR ATRIZ SÉRIE – DRAMA – Claire Foy, por “The Crown”

MELHOR ATOR SÉRIE – DRAMA – Billy Bob Thornton, por “Goliath”

MELHOR SÉRIE – MUSICAL OU COMÉDIA – “Atlanta”

MELHOR ATOR SÉRIE – MUSICAL OU COMÉDIA – Donald Glover, por “Atlanta”

MELHOR ATRIZ SÉRIE – MUSICAL OU COMÉDIA – Tracee Ellis Ross, por “Black-ish”

MELHOR MINISSÉRIE OU FILME DE TV – “The People v. O.J.: American Crime Story”

MELHOR ATOR  MINISSÉRIE OU FILME DE TV - Tom Hiddleston, por “The Night Manager”

MELHOR ATRIZ MINISSÉRIE OU FILME DE TV – Sarah Paulson, por “The People v. O.J. Simpson”

MELHOR ATOR COADJUVANTE - Hugh Laurie, por “The Night Manager”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – Olivia Coleman, por “The Night Manager”