Oito longas compõem competitiva do Panorama

O Som ao Redor - pontocedecinema.blog.br

O Som Ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, cumpre trajetória de sucesso nos festivais, inclusive no de Roterdã

O Panorama Internacional Coisa de Cinema, que acontece em Salvador e em Cachoeira de 25 a 30 de outubro, divulga a lista de selecionados para a Mostra Competitiva Nacional de Longas, que traz um elenco de filmes premiados em vários festivais, entre eles Brasília, Gramado e Roterdã.

Oito títulos fazem parte da competição, que confirma a boa fase da produção pernambucana – consagrada recentemente no Festival de Brasília -, que aparece na lista com a metade dos concorrentes: O Som ao Redor, As Hiper-mulheres, Doméstica e Boa Sorte, Meu Amor.

O mais badalado é O Som Ao Redor, de Kleber Mendonça Filho, que recebeu o prêmio da Federação Internacional de Críticos, a Fipresci, no 41º Festival Internacional de Roterdã, na Holanda, além de direção, desenho de som e do júri popular e da crítica do Festival de Gramado.

Otto - pontocedecinema.blog.br

Otto, de Cao Guimarães: recebeu quatro prêmios na categoria documentário do Festival de Brasília

As Hiper-mulheres, de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, venceu a competição brasileira do Festival Internacional de Curitiba, com os prêmios da crítica, do público e do júri oficial. No Festival de Gramado do ano passado ganhou melhor montagem e o prêmio especial do júri, além de melhor som no Festival de Brasília.

Boa Sorte, Meu Amor, de Daniel Aragão, foi premiado com melhor direção e melhor som no último Festival de Brasília, e Doméstica, de Gabriel Mascaro, ficou com o Prêmio Saruê, concedido por jornalistas do Correio Braziliense.

OUTROS ESTADOS – Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, cada um concorre com um filme no Panorama. A Cidade É Uma Só? (DF), de Adirley Queirós, recebeu o prêmio do júri da crítica da Mostra de Tiradentes e o Troféu Barroco de melhor filme da Mostra Aurora.

Esse Amor Que Nos Consome (RJ), de Allan Ribeiro, ganhou os prêmios de melhor montagem e direção de arte do Festival de Brasília. O que se Move (SP), de Caetano Gotardo, deu o prêmio de melhor atriz, em Gramado, para Fernanda Vianna. E Otto (MG), de Cao Guimarães, melhor filme, fotografia, trilha sonora e som na categoria documentário do Festival de Brasília.

O festival, que já divulgou a lista dos curtas em competição, este ano faz uma homenagem à pornochanchada, gênero que marcou o cinema brasileiro nos anos 1970 e início dos 80, com a exibição dos filmes Ninfas Diabólicas e Volúpia de Mulher (John Doo), Império do Desejo (Carlos Reichenbach), Fuk Fuk à Brasileira (Jean Garrett) e Senta na Minha, que eu Entro na Tua (Ody Fraga).

A programação acontece no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha (Praça Castro Alves, s/n – Centro), na Sala Walter da Silveira (Rua General Labatut, 27 – Barris) e no Auditório da Universidade Federal do Recôncavo (Praça Ariston Mascarenhas, s/n).

Os ingressos custarão R$ 12 / R$ 6 (sexta, sábado e domingo) e R$ 6,00 / R$ 3,00 (segunda a quinta) e algumas sessões terão entrada gratuita.

A seguir, a lista dos longas nacionais em competição

- A Cidade é Uma Só? / Is the city one only? (Adirley Queirós – DF)
- As Hiper-Mulheres/ The Hyperwomen (Carlos Fausto, Leonardo Sette, Takumã Kuikuro – PE)
- Boa Sorte, Meu Amor/ Good Luck, Sweetheart (Daniel Aragão – PE)
- Doméstica/ Housemaids (Gabriel Mascaro – PE)
- Esse Amor Que Nos Consome/ This love that consumes (Allan Ribeiro – RJ)
- O que se Move/ The moving creatures (Caetano Gotardo – SP)
- Otto (Cao Guimarães – MG)
- O Som Ao Redor/ Neighbouring Sounds (Kleber Mendonça Filho – PE)

A lista completa, com as sinopses dos filmes selecionados, está disponível no site do Panorama Internacional Coisa de Cinema.