Rigor estilístico de Fome de Viver deu lugar a filmes de ação na carreira de Tony Scott

Fome de Viver - pontocedecinema.blog.br

Fome de Viver, filme de vampiros que abordava com delicadeza e sofisticação a decrepitude e a decadência

Fome de Viver (The Hunger, 1983), terror gótico vampiresco que se tornou um dos filmes mais cultuados da década de 80, talvez seja o mais importante da carreira de Tony Scott, irmão de Ridley, que morreu neste domingo, 19/8, ao se jogar de uma ponte em San Pedro, na Califórnia.

Seu maior sucesso foi Ases Indomáveis (Top Gun, 1986), com Tom Cruise vivendo um piloto de caça da Marinha norte-americana que se envolve com a instrutora de astrofísica vivida por Kelly McGills. O filme foi uma febre naqueles tempos, inclusive por causa do poderoso hit da banda Berlin, Take My Breath Away, que ganhou o Oscar de melhor canção original.

Tony Scott - pontocedecinema.blog.br

O diretor de Ases Indomáveis, irmão de Ridley Scott, antes de estrear no cinema dirigiu dezenas de filmes publicitários

Diretor de inúmeros filmes publicitários, antes de estrear no longa realizou os curtas Loving Memory e One of The Missing. Fome de Viver, com Catherine Deneuve e David Bowie vivendo um casal de vampiros chiques que moram em Manhattan, confrontados com o envelhecimento, também conta com Susan Sarandon no elenco.

Sarandon entra no papel da cientista Sarah Roberts, uma especialista em envelhecimento que tenta resolver o problema de Bowie (John Blayloc) e protagoniza com Deneuve (Miriam) uma das sequências de lesbianismo mais comentadas do cinema. O filme teve lançamento discreto, mas logo ganhou repercussão inclusive por seus ares modernos na abordagem, com sutileza e elegância, da decrepitude e da decadência.

Eram tempos difíceis em que a Aids reinava implacável. E certamente isso contribuiu para fortalecer a aura cult do filme e levar Scott ao projeto que foi seu apogeu comercial, Top Gun. Mas esperava-se mais, muito mais, daquele cineasta que surgia com uma arte sofisticada associada ao nome do irmão Ridley, que já encantava público e crítica com filmes como Os Duelistas (1977), Alien – O Oitavo Passageiro (1979) e Blade Runner – O Caçador de Androides (1984).

Em 1990, Tony voltou a trabalhar com Cruise em Dias de Trovão (1990). Em 1993, dirigiu Amor à Queima-Roupa (1993), com roteiro assinado por Quentin Tarantino. Engatou uma parceria de filmes com Denzel Washington. Aqui e ali, ele se manteve acima da média, no auge, do cinema comercial de ação. Não perdeu o charme, manteve-se inquieto, intempestivo. A experiência inicial na direção de tantos filmes publicitários se fez valer diante do rigor estilístico de Fome de Viver.

Filmografia
Fome de Viver (1982)
Top Gun – Ases Indomáveis (1986)
Um Tira da Pesada II (1987)
Revenge – A Vingança (1990)
Dias de Trovão (1990)
O Último Boy Scout (1991)
Amor à Queima Roupa (1993)
Maré Vermelha (1995)
Estranha Obsessão (1996)
Inimigo do Estado (1998)
Jogo de Espiões (2001)
Chamas da Vingança (2004)
Domino – A Caçadora de Recompensas (2005)
Déjà Vu (2006)
O Sequestro do Metrô 123 (2009)
Incontrolável (2010)