Quartas Baianas comemora Dia do Curta-metragem

Joelma - pontocedecinema.blog.br

Joelma, de Edson Bastos, é um dos curtas baianos programados para as sessões comemorativas

A Associação Baiana de Cinema e Vídeo e Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas (ABCV/ ABD-BA) comemoram o Dia Nacional do Curta-metragem, transcorrido em 4 de abril, com duas sessões de quatro filmes baianos no projeto Quartas Baianas.

A primeira sessão acontece nesta quarta-feira (10), com a exibição (às 19 horas, na Sala Walter da Silveira) de Cine Éden e É Proibido Menino Calçado Entrar na Escola, de Edson José Bastos e Henrique Filho. Também serão exibidos Joelma, de Edson, e O Velho e os Três Meninos, de Henrique Filho.

Tema do primeiro filme, o Cine Teatro Éden, localizado na cidade de Ipiaú-BA, foi palco de muitas histórias que marcaram diversas gerações com exibições de filmes, peças teatrais e shows musicais. Hoje abriga uma loja de móveis e só tem a fachada tombada.

O Velho e os Três Meninos, que conta com Fernando Neves no elenco, e É Proibido Menino Calçado Entrar na Escola são curtas adaptado de obras de Euclides Neto. Joelma, baseado em uma história real, conta a trajetória de uma das primeiras transexuais da Bahia. A sessão terá a presença de Edson Bastos e Henrique Filho.

A programação comemorativa ao dia curta prossegue no dia 24 com a exibição de Acenderam os Céus e Meu Pé de Manga, de Son Araújo. Leia, a seguir, as sinopses dos filmes programados:

DIA 10 DE ABRIL

O Velho e os Três Meninos, de Henrique Filho
Três meninos entram em uma mansão para roubá-la. Ao se depararem com uma diversidade de comida, brinquedos e objetos luxuosos da casa, entram num clima de diversão e começam a brincar. Mas a casa não estava vazia. O velho ranzinza, advogado aposentado e fazendeiro falido, de arma em punho, está escondido, aguardando o momento certo para tomar uma providência sobre a invasão da sua casa.

Joelma, de Edson Bastos
Joelma, transexual, uma vida marcada por conflitos. Diante das divergências vividas no lar, é posta pra fora de casa e resolve se mudar para Salvador. Lá, conhece Antônio, mendigo, e passam a viver juntos. Estimulada pelo companheiro, Joelma resolve fazer a cirurgia de redesignação sexual, assumindo a condição de mulher. Tempos depois, ao retornar para Ipiaú, sua cidade natal, vê todos os seus sonhos serem destruídos por João, pivô do assassinato que mudará sua história.

É Proibido Menino Calçado Entrar na Escola, de Edson Bastos e Henrique Filho
Da obra do escritor baiano Euclides Neto, o curta apresenta uma história baseada em fatos reais, sobre a evasão de alunos de uma escola pública municipal, por conta de um pé calçado.

Cine Éden, de Edson Bastos e Henrique Filho
O Cine Teatro Éden, localizado na cidade de Ipiaú-BA, foi palco de muitas histórias que marcaram diversas gerações com exibições de filmes, peças teatrais e shows musicais. Mais de 20 anos se passaram após o seu fechamento e o tombamento da sua fachada, e até hoje muitos sonham com o Novo Cine Éden.

DIA 24 DE ABRIL

Acenderam os Céus, de Son Araújo
Anália (Mariana Borges) é uma garota que, com o passar do tempo, começou a acreditar que só seria mesmo feliz se encontrasse um amor de verdade. Suas preces são atendidas quando Duda (Rafael Medrado) chega à sua vida, injetando aquilo que ela acreditava estar precisando. Tudo muda, entretanto, quando um antigo conhecido, Tuca (Miguel Vieira), retorna com a proposta de fazer um filme sem roteiro, utilizando Anália, Duda e a si mesmo como atores. A partir daí, realidade e ficção começam a se misturar em frente às câmeras, e cada um deles – principalmente Anália – vai precisar entender de verdade o seu papel na trama.

Meu Pé de Manga, de Son Araújo
Marcos (Neto Cajado), filho mais velho do casal Antero (Claudino Freitas) e Divina (Abgail Montalvão), é convidado pelo padre (Josemar Santos) para seguir a carreira sacerdotal. A partir deste instante, Marcos perdeu o referencial da sua vida: obedecer a Igreja e aos seus pais, ou seguir o que determina o seu coração, que é partir com Jonas (Anderson dy Souza), seu amigo de infância.

Meu Pé de Manga retrata o preconceito levado ao extremo, representado pelo Beija Flor e o Lírio, elementos masculinos mas que simbolicamente, pela leveza e perfume , representam a alma feminina.