O que têm a ver Tetro, Cidadão Kane e José do Egito

Tetro - pontocedecinema.blog.br

Vincent Gallo e Alden Ehreinreich em Tetro, de Coppola

“Não solte a corda que me prende a sua alma”. A frase domina os instantes iniciais de Tetro (2010), um filme admirável de Francis Ford Coppola, que parece que pegou a todos de surpresa e foi pouco comentado no longo e ruidoso verão baiano.
 

Tetro parece negar Orson Welles, que, em seu Cidadão Kane (Citizen Kane), lançado em 1941 (há 70 anos, portanto), colocava logo no início, colada no portão da mansão do magnata, uma outra frase: “Não incomode”.

Sinalizava para a impossibilidade de se conhecer o outro plenamente. E Cidadão Kane, interpretado pelo próprio Welles, é o tempo todo isso: a investigação, a todo  instante, sobre o que foi a vida de um homem, na realidade, indecifrável.

O filme de Coppola, por outro caminho,  convida logo de início a desatar esses nós que embaçam o homem. É o que faz o garoto Benjamin (Alden Ehreinreich), que chega à casa do irmão outsider, Angelo (Vincent Gallo), em Buenos Aires. E não desprega enquanto não consegue decifrar o enigma que fez aquela criatura que amava tanto desconectar-se do universo familiar.

Cidadão Kane (Citizen Kane) - pontocedecinema.blog.br

Welles como Charles Foster Kane

Há ressonâncias bíblicas aí. O nome do garoto é Benjamin. Benjamin era o mais novo da família de José, que fora vendido a mercadores pelos irmãos ciumentos. E que chegou como escravo ao Egito, decifrou o sonho do Faraó, tornou-se poderoso e salvou os egípcios da fome.

O rapaz é peça fundamental no jogo de José com os irmãos que o desprezaram no passado e agora o reencontram, muito bem, no Egito. José manda buscar Benjamin, o caçula. É o tempo que precisa para entender que os irmãos mudaram. E que merecem de volta a confiança.

No filme, o garoto desata o nó que oprime aquele irmão apartado dos seus. A descida à Patagônia, provocada por ele, onde todos os segredos se revelam, explode na tela, em clarões de paisagem, numa sequência admirável, em um filme dominado pela chama criativa da arte e do conhecimento.

Benjamin, enfim, em Tetro, consegue dar uma nova dimensão à família. Ele agarra-se ao irmão, não lhe larga a alma, como diz a frase pintada no muro, logo no início do filme. Francis Ford Coppola recolhe os cacos. Orson Welles, com Cidadão Kane, se recusou a juntá-los.

O quê: Tetro
De quem: Francis Ford Coppola
Com quem: Vincent Gallo, Maribel Verdù e Alden Ehreinreich