Uma semana com o Festival Avant-première, O Corvo e Mel Gibson em Plano de Fuga

A Delicadeza do Amor - pontocedecinema.blog.br

Audrey Tautou no filme A Delicadeza do Amor, que integra o Festival Avant-première

O Corvo, do cineasta australiano James McTeigue e com John Cusack no elenco, é a principal estreia da semana, ao lado do novo filme de Mel Gigson, Plano de Fuga, dirigido pelo estreante Adrian Grunberg.

Mas nada que ponha o cinéfilo em estado de alerta, além da curiosidade provocada pelo filme de McTeigue, variação em torno da obra e da vida do genial escritor norte-americano Edgar Allan Poe.

Antes de conferir os filmes em continuação ainda não vistos, é bom não esquecer do Festival Avant-première, promovido pelo Circuito SaladeArte, às 18h30 e 21 horas, até quinta. É a grande atração da semana.

Neste final de semana temos Audrey Tautou em A Delicadeza do Amor, de David Foenkinos e Stéphane Foenkinos; Keira Knightley em Apenas Uma Noite, de Massy Tadjedin; a comédia Kaboom, de Gregg Araki, e O Que Eu Mais Desejo, do japonês Hirokasu Koreeda. Na programação da semana, O Moinho e a Cruz, de Lech Majewski. Imperdível.

No alternativo do alternativo, com entrada franca, o inédito Um Culpado Ideal, documentário em exibição na Sala Walter da Silveira, que ganhou o Oscar em 2002, aborda a história de um garoto negro de 15 anos, Benton Butler, formalmente acusado de ter matado uma jovem branca na Flórida, EUA, em 7 de maio de 2000.

#Leia a seguir as sinopses, conforme enviadas pelos exibidores, e veja os traileres dos filmes. Para saber mais sobre as estreias e pré-estreias, os filmes que continuam em cartaz, exibições e mostras especiais, além do horário, consulte Em cartaz, ao lado.

ESTREIAS
O CORVO (The Raven)
De James McTeigue. EUA/ Hungria/ Espanha, 2012. 14 anos. Com John Cusack, Luke Evans, Alice Eve, Brendan Gleeson, Brendan Coyle, Pam Ferris e Oliver Jackson-Cohen. Em seus últimos dias de vida, o poeta e romancista americano Edgar Allan Poe passa a perseguir um serial killer que se inspira em suas obras para cometer assassinatos.

PLANO DE FUGA (Get the Gringo)
De Adrian Grunberg. EUA, México, 2012. 16 anos. Com Mel Gibson, Peter Stormare, Dean Norris e Peter Stormare. O filme traz Mel Gibson no papel de um criminoso americano que ultrapassa a fronteira entre os Estados Unidos e o México, durante a fuga, depoiss de um roubo a banco. Ele acaba preso pelas autoridades mexicanas e enviado para um presídio lotado de bandidos de alta periculosidade. Não bastasse essa experiência bizarra, acaba se envolvendo com uma família local e se metendo numa enrascada em terras estrangeiras.

UM CULPADO IDEAL (Un Coupable Ideal)
De Jean-Xavier de Lestrade. França, 2001. 12 anos. Flórida, EUA, 7 de maio de 2000. Em Jacksonville, uma turista branca é morta com um tiro na cabeça. Duas horas mais tarde, Brenton Butler, um jovem negro de 15 anos, é preso. Formalmente identificado pelo marido da vítima, ele assina uma confissão. Retomando a investigação, seus advogados descobrem elementos estranhos que põem em dúvida as conclusões da polícia. Oscar de melhor documentário em 2002.

PRÉ-ESTREIA
AS NEVES DO KILIMANJARO (Les Neiges Du Kilimandjaro)
De Robert Guédiguian. França, 2011. 12 anos. Com Ariane Ascaride, Jean-Pierre Darroussin. Apesar de ter perdido o emprego, Michel leva uma vida feliz com Marie-Claire. Eles estão apaixonados há mais de 30 anos, seus filhos e netos lhes dão alegria e vivem cercados de amigos próximos. Ambos se orgulham de sua luta política e seus valores morais. Mas a felicidade do casal é interrompida quando dois homens roubam o dinheiro que tinham guardado para fazer uma viagem ao monte Kilimanjaro. Baseado na obra de Victor Hugo, Os Miseráveis. Seleção da Mostra ‘un certain regard’ no Festival de Cannes 2011. Premiado pelos júris oficial e popular no Festival de Valladollid.

FESTIVAL AVANT-PREMIÈRE
O QUE EU MAIS DESEJO (Kiseki (I Wish)
De Hirokasu Koreeda. Japão, 2011. 12 anos. Com Koki Maeda, Ohshirô Maeda, Ryôga Hayashi, Cara Uchida e Kanna Hashimoto. No Japão, na ilha de Kyushu, dois irmãos vivem separados após o divórcio de seus pais. Koichi, o mais velho, mora com sua mãe no sul da ilha, e seu irmão mais novo, Ryunosuke, com o pai, no norte da ilha. O que o irmão mais velho deseja, acima de tudo, é que sua família viva junto novamente. Por isso, quando escuta de um amigo da escola a história de que um desejo pode ser realizado se feito no momento em que dois trens-bala se cruzam, ele decide organizar uma viagem secreta até o ponto de interseção dos trens, onde o milagre poderá acontecer.

A DELICADEZA DO AMOR (La Délicatesse)
De David Foenkinos e Stéphane Foenkinos. França, 2011. 14 anos. Com Audrey Tautou, François Damiens, Bruno Todeschini e Pio Marmaï. Nathalie é uma mulher jovem, bonita e tem o casamento perfeito. Quando seu marido morre num acidente, seu mundo vira de ponta-cabeça. Nos anos seguintes, ela foca em profissão, deixando seus sentimentos de lado. Então, de repente, se interessa pelo homem mais inesperado: seu colega de trabalho Markus. Esse casal incomum embarca numa jornada emocional singular, retratando uma história de renascimento. Adaptado do oitavo romance de David Foenkinos, vencedor de 10 prêmios literários e que já vendeu mais de 700 mil cópias.

APENAS UMA NOITE (Last Night)
De Massy Tadjedin. EUA/ França, 2010. Com Keira Knightley, Sam Worthington, Eva Mendes, Guillaume Canet e Anson Mount. Michael e Joanna Reed formam um casal que parece ter tudo. Eles são jovens, atraentes e bem sucedidos. No entanto, tudo muda quando os Reeds vão a uma festa de trabalho de Michael, na qual Joanna presencia um momento suspeito entre o marido e sua nova bela colega de trabalho Laura. O incidente é fugaz e ambíguo e Joanna não tem certeza do que presenciou, mas a sombra da dúvida na relação do casal contamina seu amor.

A ARTE DA CONQUISTA (The Art of Getting By)
De Gavin Wiesen. EUA, 2011. 12 anos. Com Freddie Highmore, Emma Roberts, Sasha Spielberg e Marcus Carl Franklin. Acreditando na citação que nascemos sozinhos, morremos sozinhos e tudo o mais é uma ilusão, George não vê sentido na vida, na escola ou em sua família. Até que ele conhece Sally, e encontra nela uma razão para ir à escola e fazer amigos. Entretanto, ainda não está pronto para admitir que gosta dela. O diretor da escola e professor de arte apresenta-o a um ex-aluno e artista de sucesso, Dustin, que procura orientá-lo, mas outras distrações começam a vir à tona e ele pode não ser capaz de se formar.

KABOOM (Kaboom)
De Gregg Araki. EUA/ França, 2010. Com Thomas Dekker, Haley Bennett, Chris Zylka, Roxane Mesquida e Juno Temple. Smith tem uma rotina no dormitório da universidade: sair com a sarcástica amiga artista Stella, namorar a bela e liberal London e paquerar seu bonito e bobo colega de quarto, Thor. Mas tudo vira de cabeça para baixo depois de uma fatídica noite. Após comer biscoitos alucinógenos numa festa, Smith acredita ter testemunhado o assassinato de uma misteriosa garota ruiva, que fica assombrando seus pesadelos. O que ele descobre, enquanto tenta descobrir a verdade, leva-o cada vez mais a um mistério que mudará o rumo de sua vida.

A VELHA DOS FUNDOS
De Pablo Meza. Argentina/ Brasil, 2010. Com Adriana Aizenberg, Martín Piroyansky e Rafael Sieg. Sinopse: Um universo pequeno, solitário. Um apartamento repleto de adornos e objetos obsoletos, onde a escuridão governa. Ali vive ela, Rosa – “a velha dos fundos”. Na frente, outro universo, solitário também: um apartamento atemporal, sem adornos, desprovido de objetos úteis. Ali vive ele, Marcelo, um estudante de medicina sem dinheiro e sem amigos. Tudo muda quando esses dois universos se misturam.

À ESPERA DE TURISTAS (Am Ende kommen Touristen)
De Robert Thalheim. Alemanha, 2007. Com Alexander Fehling, Ryszard Ronczewsk e Barbara Wysocka. Um jovem presta serviços voluntários no museu de Auschwitz e também cuida de um sobrevivente do campo de concentração, um senhor teimoso que o trata com arrogância e impaciência. Mas sua vida ganha novo sentido ao se envolver com uma intérprete.

O MOINHO E A CRUZ (The Mill and the Cross)
De Lech Majewski. Suécia/Polônia, 2010. Com Rutger Hauer, Charlotte Rampling, Michael York, Joanna Litwin e Dorota Lis. Recriação da pintura A Procissão e o Calvário, de Pieter Brugel, mostrando rituais seculares e o cotidiano do século XVI. Além de revelar as escolhas artísticas de Bruegel através do momento político que seu país vivia.