O cinema independente e imprescindível de John Cassavetes

Faces - pontocedecinema.blog.br

John Cassavetes e a mulher, Gena Rowlands, durante as filmagens de Faces, um dos filmes que integram a mostra

Nada menos que seis filmes do pai do cinema independente norte-americano, John Cassavetes – conhecido do grande público pelo trabalho como ator em O Bebê de Rosemary e Os 12 Condenados – serão exibidos, alguns deles pela primeira vez na Bahia, a partir da próxima semana, de 8 a 14/7, em mostra na Sala Walter da Silveira (Biblioteca Pública – Barris). Sombras (1960), Faces (1968), Assim Falou o Amor (1971), Uma Mulher Sob Influência (1974), A Morte de Um Bookmaker Chinês (1976) e Noite de Estreia (1978) são os filmes programados.

Trata-se de uma das mais importantes mostras de cinema do ano, em Salvador, realizada pelo Sesc-Ba, com o apoio da Diretoria de Audiovisual, da Fundação Cultural da Bahia. Não é completa, mas traça um panorama, de inegável qualidade, deste cineasta que morreu em 1989, aos 59 anos de idade, admirado mundo afora e que trocou influência com renomados nomes da cinematografia mundial, incluindo aí o Robert Altman de filmes como Short Cuts, Três Mulheres e Cerimônia de Casamento.

Falta na mostra Os Maridos (1970), filme mais conhecido do diretor no Brasil, antes do sucesso de Gloria, que ganhou o Leão de Ouro no Festival de Veneza, em 1980, e abriu os olhos do grande público para este realizador. E o extraordinário Love Streams (Amantes, 1984), premiado com o Urso de Ouro no Festival de Berlim, além dos filmes que dirigiu em Hollywood. Mas é inegável a importância de todos os títulos programados, tratando-se a mostra, portanto, uma oportunidade rara para assisti-los em tela de cinema.

A Morte de Um Bookmaker Chinês - pontocedecinema.blog.br

Ben Gazzara em A Morte de Um Bookmaker Chinês

INÍCIO – Uma das crias da televisão norte-americana nos anos 50, Cassavetes migrou para uma sólida carreira de ator no cinema até dirigir seu primeiro filme, Sombras, absoluto sucesso de crítica, que logo o projetou para Hollywood, onde dirigiu A Canção da Esperança (1961), com Stella Stevens, e Minha Esperança é Você (1963), com Burt Lancaster e Judy Garland. Mas ‘o gênio do sistema´ não combinava com o estilo Cassavetes de fazer cinema e o diretor logo brigou e se afastou das grandes produções.

Melhor, porque criou um modo todo próprio de conduzir e conduzir-se em cena, absolutamente independente, tendo amigos como Peter Falk, Ben Gazzara, Seymor Cassael e gente da própria família, a exemplo da mulher, Gena Rowlands, como colaboradores. Pensar em Cassavetes é pensar em atuação, em improvisação e em câmera solta à disposição do ator. Gena Rowlands, presente em quase todos os filmes do marido, que o diga.

A seguir, reproduzo as sinopses dos filmes, com datas e horários de exibição, conforme me foram enviadas por Adolfo Gomes, coordenador de programação da Diretoria de Audiovisual – Dimas/Funceb:

Mostra John Cassavetes
8 a 14 de julho
Sala Walter da Silveira
Entrada franca

Dias 8 e 13/07
18h
Sombras (Shadows, EUA, 1960).
Direção: John Cassavetes
Duração: 87 min.
Elenco: Ben Carruthers, Lelia Goldoni, Hugh Hurd e Anthony Ray.
Classificação: 14 anos
Sinopse – Lelia, de pele moreno-clara, apaixona-se pelo branco Tony. Quando ele conhece os irmãos dela, todos negros, o relacionamento começa a ruir. Primeiro filme de Cassavetes, rodado com a colaboração de amigos, foi o ponto de partida de seu estilo, baseado na improvisação de num realismo cru e ao mesmo tempo poético. Prêmio da Crítica no Festival de Veneza.

Dia 9/07
18h
Faces (Faces, EUA, 1968)
Direção: John Cassavetes
Duração: 130 min.
Elenco: John Marley, Gena Rowlands, Lynn Carlin, Seymour Cassel, Fred Draper e Val Avery.
Classificação: 14 anos
Sinopse – O desmoronamento de um casamento da classe média-alta norte-americana. Richard deixa sua esposa, Maria, para se encontrar com a jovem Jeannie, que acabara de conhecer num bar. Maria, por sua vez, vai a uma boate e deixa-se envolver por um garoto de programa. Cassavetes usa uma curiosa estrutura de filme-dentro-do-filme. Indicado ao Oscar de melhor roteiro original.

Dia 10/07
18h
Uma Mulher Sob Influência (A Woman Under the Influence, EUA, 1974)
Direção: John Cassavetes
Direção: 155 min.
Elenco: Peter Falk, Gena Rowlands, Matthew Cassel, Katherine Cassavetes, Lady Rowlands e Fred Draper.
Classificação: 14 anos
Sinopse – Sobrecarregado de trabalho num estaleiro, Nick tenta conviver com o desequilíbrio emocional de sua esposa, uma dona-de-casa depressiva. Quando os filhos começam a ser atingidos pelo estado da mãe, Nick se vê obrigado a hospitalizá-la e assumir o controle da casa. Indicado ao Oscar de melhor direção.

Dia 11/07
18h
Noite de Estréia (Opening Night, EUA, 1978)
Direção: John Cassavetes
Duração: 144 min,
Elenco: Peter Falk, Gena Rowlands e Ben Gazzara
Classificação: 14 anos
Sinopse – Myrtle Gordon, célebre atriz de meia-idade, enfrenta uma crise de identidade ao se sentir culpada pela morte de uma ardorosa fã na noite de estréia de sua nova peça. Ela vê a moça em alucinações e recusa-se a representar o papel de uma mulher que envelhece. Indicado ao Globo de Ouro de melhor filme.

Dia 12/07
18h
A Morte de um Bookmaker Chinês ((The Killing of a Chinese Bookie, EUA, 1976)
Direção: John Cassavetes
Duração: 108 min.
Elenco: Ben Gazzara, Timothy Carey, Seymour Cassel e Robert Phillips.
Classificação: 14 anos
Sinopse – Cosmo Vitelli, proprietário de uma boate de striptease em Los Angeles, não tem dinheiro para quitar uma alta dívida no jogo de pôquer. A Máfia exige que ele mate um bookmaker chinês para saldar a dívida. A fim de cumprir sua tarefa, Cosmo se envolve no ambíguo submundo do crime e do jogo. Uma das produções mais modestas do diretor, quase um filme doméstico.

Dia 14/07
18h
Assim Falou o Amor (Minnie And Moskowitz, EUA, 1971)
Direção: John Cassavetes
Duração: 114 min.
Elenco: Gena Rowlands, Seymour Cassel, Val Avery e Timothy Carey.
Classificação: 14 anos
Sinopse – Seymour Moskowitz, longo cabelo loiro e um impressionante bigode, trabalha num estacionamento e vai ao cinema ver filmes com Humphrey Bogart. Seymour fala de carros, dinheiro e comida. Minnie Moore trabalha num museu e também ela vê filmes com Bogart. E acaba de se separar do seu amante. Um dia, depois de um almoço desastroso com um pretendente, Minnie conhece finalmente Seymour. Dois seres que nada aproxima, a não ser o fato de ambos sentirem-se sozinhos, vão começar a mais improvável e imprevisível das relações.