Noitada do Samba vence o IV Bahia Afro Film Festival

Noitada do Samba - pontocedecinema.blog.br

Noitada de Samba - Foco de Resistência: Melhor Filme e Direção do IV Baff

Documentário que resgata os espetáculos realizados no Teatro Opinião, em Copacabana (Rio de Janeiro), entre os anos de 1971 e 1984, apresentando compositores dos morros e da periferia do Rio de Janeiro, venceu o IV Bahia Afro Film Festival, encerrado na noite de quarta-feira (21/11), na Sala Walter da Silveira.

Noitada de Samba – Foco de Resistência, de Cely Leal, baiana radicada no Rio de Janeiro, baseado no livro homônimo de Márcia Guimarães, recebeu dois troféus Zumbi dos Palmares: Melhor Filme e de Melhor Direção.

Na tela, nomes como Cartola, Nelson Cavaquinho, Clementina de Jesus, Ciro Monteiro, Dona Ivone Lara, Elisete Cardoso, dentre outros consagrados em espetáculos comandados por Jorge Coutinho e Leonides Bayer, que marcaram época como foco de resistência cultural em pleno período da ditadura militar.

Destaque ainda do IV Baff, Carreto, de Marília Hughes e Cláudio Marques, curta que conta a história de amizade entre um menino e uma menina, foi premiado com Melhor Roteiro, Melhor Atriz (StephanieVictória) e Melhor Ator (Ronaldo Batista dos Santos), confirmando uma trajetória de sucesso nos festivais iniciada com os prêmios de Melhor Filme e Melhor Roteiro no 38º Festival de Cinema de Gramado.

Na noite de premiação, foi exibido Yeah, Meu Nego, filme produzido pelos estudantes da Oficina Tela em Transe, ministrada durante os seis dias de evento, que exibiu mais de 30 filmes no Forte Santo Antônio Além do Carmo (Forte da Capoeira), na Sala Alexandre Robatto e pela TV Pelourinho.

Veja a seguir a lista dos vencedores:

Júri Oficial
Melhor Filme – Noitada de Samba-Foco de Resistência, de Cely Leal
Melhor Roteiro – Carreto, de Cláudio Marques e Marília Hughes
Melhor Fotografia – Barka, de Carlinhos Antunes e Márcio Werneck
Melhor Atriz – Stephanie Vitória, de Carreto
Melhor Ator: Ronaldo Batista dos Santos, de Carreto
Melhor Direção: Noitada de Samba – Foco de Resistência, de Cély Leal
Melhor Montagem: Kinopoéticas, de Pedro Dantas.
Melhor Temática Social: Sou, de Andréia Vigo
Melhor Produção Independente: Ojú Onã, de Clementino Júnior
Melhor Filme Etnográfico: Eu tenho a palavra, de Lilian Solá Santigo
Menção Honrosa: O Grande Tambor, de Sérgio Valentim e Gustavo Turk
Menção Honrosa: Ayrabéji de Xangô, de Frederico Mael

Júri ABCV ABD-BA – Associação Baiana de Cinema e Vídeo
Melhor Filme – Curandeiros do Jaré, de Marcelo Abreu
Menção Honrosa – Carreto, de Cláudio Marques e Marília Hughes