Filmes de Carlos Reichenbach mostram contradições que marcaram o Brasil a partir do final dos anos 50

Carlos Reichenbach - pontocedecinema.blog.br

Carlos Reichenbach dirigiu mais de 20 filmes, foi um diretor de fotografia rigoroso e cinéfilo apaixonado

Impressionante o impacto causado no meio cinematográfico pela morte abrupta de Carlos Reichenbach, o cineasta cinéfilo que entendia de cinema como nenhum outro e sofreu um infarto nesta quinta-feira, 14, aos 67 anos de idade, dia do seu aniversário.

Diretor de Lilian M: Relatório Confidencial (1974) e Filme Demência (1985), talvez seus melhores filmes, Carlão, como era carinhosamente chamado pelos amigos e colegas cinéfilos e cineastas, nascido em Porto Alegre, formou-se em São Paulo.

Estreou em 1967, com o curta Esta Rua Tão Augusta. Dirigiu mais de 20 filmes, teve tantos roteiros filmados, foi diretor de fotografia de tantos outros. Enfileirou-se, com nomes como Rogério Sganzerla, entre os criadores do Cinema Marginal.

O importante Cinema Marginal, ou Underground, ou ainda Udigrudi (no início chamado assim em tom perjorativo), que surgiu no final dos anos 60, como uma reação explosiva aos anos de chumbo, e tem entre seus principais representantes A Margem, de Ozualdo Candeias, e O Bandido da Luz Vermelha, de Sganzerla.

Assista ao trailer de Filme Demência.

Conhecido pela atuação na chamada Boca do Lixo de São Paulo, Carlão alternava produções de caráter autoral, como Lilian M, com fases mais populares, mas também inventivas, como a do período em que fez A Ilha dos Prazeres Proibidos (1978), Sede de Amar (1979), O Impériodo Desejo (1980), O Paraíso Proibido (1981) e Amor, Palavra Prostituta (1982).

Eram filmes da Boca do Lixo, engendrados em um corredor do centro de São Paulo, na maioria das vezes, tidos como de extremo mau gosto, mas, na verdade, avaliados de forma rasteira como, de resto, boa parte da produção porno-erótica brasileira do final dos anos 70 e início dos 80.

É um momento da carreira de Carlos Reichenbach que interessa muito. Foi quando ganhou maior notoriedade, particularmente, com A Ilha dos Prazeres Proibidos, que fez mais de 4 milhões de espectadores.

E um momento de filmes como Império do Desejo, que se alinhava comercialmente, conforme o título definia, com as expectativas em torno da liberação do proibido O Império dos Sentidos, do japonês Nagisa Oshima.

Víamos esses filmes aos montes, em Salvador, no final dos 70 e início dos 80. A maioria considerávamos como verdadeiras bombas, mas, já naquela época, Carlos Reichenbach, com seu olhar deslocado para questões políticas, chamava a atenção, ao lado de nomes como Jean Garrett, diretor de A Mulher Que Inventou o Amor (1979).

Ao contrário de Garrett, que enfrentou o ostracismo com o final das produções da Boca do Lixo, Carlão, entretanto, permaneceu, com filmes como Anjos do Arrabalde (1986), Alma Corsária (1993), com o baiano Bertand Duarte como protagonista, e Falsa Loura (2007).

E mesmo sendo autor de títulos que estão longe da perfeição, prosseguiu com uma carreira extremamente criativa.

Fillme Demência, em que atualiza o mito de Fausto, ao revelar a angústia de um típico personagem classe-média, é o grande filme de uma carreira devotada aos dilemas do homem comum, do suburbano e do operariado brasileiro, particularmente de São Paulo, e às contradições políticas e sociais que marcaram o país do final dos anos 1950 aos anos 2000.

Filmografia de Carlos Reichenbach.

2007 – Falsa Loura
2005 – Bens Confiscados
2004 – Garotas do ABC
2003 – Equilíbrio & Graça (curta-metragem)
1999 – Dois Córregos
1994 – Olhar e Sensação (curta-metragem)
1993 – Alma Corsária
1990 – City Life’(episódio: Desordem em Progresso)
1986 – Anjos do Arrabalde
1985 – Filme Demência
1984 – Extremos do Prazer
1982 – As Safadas (episódio: A Rainha do Fliperama)
1981 – O Paraíso Proibido
1981 – O Império do Desejo
1980 – Sangue Corsário (curta-metragem)
1980 – Sonhos de Vida (curta-metragem)
1980 – Amor, Palavra Prostituta
1978 – A Ilha dos Prazeres Proibidos
1977 – Sede de Amar
1974 – Lilian M: Relatório Confidencial
1973 – O Guru e os Guris (produtor e diretor de fotografia)
1972 – Corrida em Busca do Amor
1970 – Audácia (episódio: A Badaladíssima dos Trópicos X os Picaretas do Sexo)
1968 – As Libertinas (episódio: Alice)
1967 – Esta Rua Tão Augusta (curta-metragem)