Continuação de O Bandido da Luz Vermelha, Cuíca de Santo Amaro e Mostra Orson Welles abrem o CineFuturo

Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha - pontocedecinema.blog.br

Ney Matogrosso em Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha, de Helena Ignez

A exibição de Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha, continuação da obra-prima de 1968, de Rogério Sganzerla, seguida do Diálogo O Reinventar do Bandido da Luz Vermelha com a diretora, Helena Ignez, e o protagonista do filme, o cantor Ney Matogrosso, abre oficialmente o Festival CineFuturo – VIII Seminário Internacional de Cinema e Audiovisual nesta sexta-feira, às 16h30, no Espaço Itaú de Cinema – Glauber Rocha,

No mesmo dia começa a Mostra Competitiva de Curtas e a Mostra Internacional, com a exibição, em duas sessões, à noite, do longa baiano Cuíca de Santo Amaro, de Josias Pires e Joel Almeida, que ganha pré-estreia em Salvador depois de passar pelo É Tudo Verdade (no Rio e em São Paulo), por Luanda (no projeto do Goethe-Institut Angola) e pelo V Festival do Cine Latinoamericano e Caribenho da Ilha de Margarita, na Venezuela.

Cuíca de Santo Amaro - pontocedecinema.blog.br

O cordelista Cuíca de Santo Amaro é tema de documentário de Josias Pires e Joel Almeida

Mas antes mesmo da abertura oficial do evento, às 14 horas, começa a mostra Orson Welles, com Jornada do Pavor (1943). Homenageado deste ano no CineFuturo, o controvertdo cineasta norte-americano, sempre lembrado pelo revolucionário Cidadão Kane (1941), que também será exibido no dia da abertura, às 20 horas, tem praticamente toda a obra passada a limpo e será tema da mesa-redonda no dia 14, às 10 horas.

Mais importante festival baiano, ao lado do Panorama Internacional Coisa de Cinema, realizado na semana passada, o CineFuturo soma às suas mostras a preocupação com o pensamento cinematográfico estimulado em suas mesas-redondas e diálogos.

Além da mesa com Franco Marineo – O Cinema Inventivo de Orson Welles, a programção inclui O Cinema Experimental na Contramão do Mercado, no dia 12, às 10 horas, tendo como palestrantes Guiomar Ramos, Ivana Bentes e Tarek Elhaik; Vivemos o Ocaso da Crítica Cinematográfica?, no dia 13, com a participação de Cássio Starling, Franco Marineo e Sihan Felix; e Qual O Futuro do Cinema Baiano?, também no dia 13, às 14 horas, com Ceci Alves, Daniel Lisboa, Henrique Dantas, Fabio Rocha e Carlos Pronzato.

Na programação, ainda, as mostras de Cinema Experimental – que reúne filmes de Luis Buñuel a Andy Warhol, passando pelo mestre do realismo poético francês Jean Cocteau -, Cinema Baiano, Cinema Ambiental e Indicados EFA (Mostra de Curtas-Metragens Europeus Premiados). Na Competitiva de Curtas concorrem 18 filmes de ficção e documentários da Bahia (que participa com nove produções), Minas Gerais, São Paulo, Ceará e Pernambuco.

Veja a programação completa no site do CineFuturo.

A seguir, a programação da Mostra Competitiva de Curtas com as sinopses dos filmes enviadas pela assessoria do evento:

Dia 9/11 – 20h
FUGAZ – Joacélio Batista, MG, 2012, 12 min. Emergindo no desconhecido, o garoto busca o que os outros dizem ser o nada!

Dia 9 – 21h30
DOIS – Thiago Ricarte, SP, 2012, 16 min. Rafael e Thalita estudam para uma prova de matemática em um parque. Thalita descobre que precisa ir embora mais cedo.

Dia 10 – 14h
DIQUE – Adalberto Oliveira, PE, 2012, 19 min. Onde antes era um cenário paradisíaco, surge uma nova paisagem sonora proporcionada pela urbanização desordenada e caótica de uma cidade dormitório.

Dia 10 -18h
SECA VERDE – Nicolas Hallet e Simone Dourado, BA, 2011, 15 min. Seu Antônio, D. Zélia e a pequena Virgínia foram os únicos que restaram de uma família do semiárido baiano.

Dia 10 – 16h
CHARIZARD – Leonardo Mouramateus, CE, 2012, 15 min. A semana em que Virna resolveu se separar do namorado para ficar comigo, foi a mesma semana em que me ofereceram um emprego temporário de caseiro.

Dia 10 – 16h
O AMOR EM BRANCO E PRETO – Rose Moraes, BA, 2011, 5 min. Um casal se encontra por acaso num banco de praça. Nele, vive fases de um relacionamento amoroso, desde a paixão, passando pelo casamento, celebração, amor até a separação e indiferença total, voltando à fase inicial de desconhecidos. O filme utiliza o preto e branco como metáfora para retratar o precoce envelhecimento das relações.

Dia 10 – 20h30
OS INCOMODADOS QUE SE MUDEM – Juliana Brandão e Rose de Moraes, BA, 2012, 5 min. Uma família contemporânea que dentro de um mesmo espaço vive o individualismo das relações familiares. Cada um inserido em seu mundo, suporta os problemas de uma convivência. Um filme que fala do distanciamento entre pessoas que dividem um mesmo espaço e um novo modelo de família da sociedade contemporânea.

Dia 10 – 20h30

DA ALEGRIA, DO MAR E DE OUTRAS COISAS – Ceci Alves, BA, 2012, 14 min.
Obra de ficção, livremente inspirada na história real dos travestis baianos Júnior da Silva Lago, 22 anos, a Luana, assassinado covardemente por policiais militares, e do sobrevivente da barbárie, e Jocimar Oliveira do Carmo, a Joice.

Dia 11 – 14h
EPIFÂNIO – Glaucia Barbosa, CE, 2012, 23 min. O amor é um cabra tão malvado. A gente espera que o amor seja bom até o fim.

Dia 11 – 16h
SIGNOS DA TELA – Caio Araujo, BA, 23 min. Personagens alegóricos investigam a relação do homem com a imagem reproduzida, criando uma relação sensorial e quase hipnótica com o espectador, mergulhando-o em um mar de signos.

Dia 11 -18h
SER TÃO CINZENTO – Henrique Dantas, BA, 2011, 25 min. Documentário que busca recriar a memória do filme Manhã Cinzenta, do cineasta Olney São Paulo, uma das mais contundentes obras cinematográficas produzidas sobre as atrocidades cometidas durante a ditadura militar. O documentário se utiliza das imagens originais de Manhã Cinzenta, unindo as diferentes memórias na voz dos entrevistados que assistem ao filme 40 anos após sua realização.

Dia 11 – 20h30
DESTERRO – Claudio Marques, Marília Hugles, BA, 2011, 15 min. O encontro e as memórias de Dona Pequenita e Tereza Fróes Batalha sobre uma das mais impactantes intervenções do estado brasileiro.

Dia 11 – 20h30
ORWO FORMA – Karen Black e Lia Letícia, RJ, 2012, 4 min. Tudo é lindo em uma mulher.

Dia 12 – 18h30
DANÇANDO MAS TÔ ANDANDO – Marcondes Dourado, BA, 2012, 13 min. Por um ano e oito meses, Gilberto andou para trás.

Dia 12 -18h30
LULABY – André Lage, MG, 2012, 11 min. Filha propõe ao velho pai português um desafio: cantar em inglês uma canção de Tom Waits.

Dia 12 – 20h30
BOMBA – Francisco Franco, MG, 2011, 20 min. Conrado tinha prova todo sábado. Todo sábado até a morte.

Dia 13 – 18h30
CÂMARA ESCURA – Marcelo Pedroso, PE, 2012, 25 min. As imagens dos objetos iluminados penetram num compartimento escuro através de um pequeno orifício. Sobre um papel branco situado a uma certa distância desse orifício, veem-se no papel os objetos invertidos com as suas formas e cores próprias.

Dia 13 – 20h30
TELEFONEMA DE ORIGEM – André Nogueira, BA, 2012, 23 min. Um dia comum, um homem comum recebe um telefonema de Deus e tem a sua chance… Descobrir todos os mistérios da vida.