Clint Eastwood está de volta apenas como ator em Curvas da Vida, principal estreia da semana

Curvas da Vida - pontocedecinema.blog.br

Clint Eastwood no papel do olheiro de beisebol Gus, um velho que mal enxerga mas dá um show de habilidade

Há quase 20 anos sem figurar apenas como ator e há quatro sem atuar nos filmes que dirige, Clint Eastwood é o destaque de Curvas da Vida, drama comovente, conduzido por seu produtor e diretor-assistente Robert Lorenz, que seria um horror se não fosse marcado pela discrição e habilidade narrativa.

O filme acumula clichês e situaçãoes previsíveis, ao contar a história do olheiro de beisebol Gus, vivido por Eastwood, que, além de ter contra si as dificuldades impostas pela velhice, quer distância do computador e de tudo o que significa a facilidade que os tempos modernos proporcionam para a sua vida em casa e no trabalho.

Seus pares querem aposentá-lo, e uma equipe de jovens ambiciosos e pedantes não perde tempo para tentar passá-lo para trás na escolha de um novo talento. Gus, que já não enxerga bem, contará apenas com a intuição e a ajuda da filha, Mickey (Amy Adams), para mostrar que o que vale mesmo é a voz da experiência.

As curvas dizem respeito à vida de Gus, é claro, ao próprio beisebol e, por que não, à condução da história por Lorenz que, não poderia deixar de ser, revela-se pelas mãos tranquilas e habilidosas de Eastwood. Isso mesmo: sem mostrar o brilho dos filmes do diretor de A Troca, As Curvas da Vida deixa-se ver com facilidade.

De certo modo, é uma aula para diretores neófitos que antes mesmo de saberem o bê-a-bá tentam desarticular a linguagem cinematográfica com falta de criatividade.

O filme de Lorenz é a melhor estreia da semana. Podem lhe fazer sombra Selvagens, de Oliver Stone, diretor que apenas desce em meio às curvas que o cinema faz; e As Palavras, de Brian Klugman e Lee Sternthal. Em pré-estreia, além de Era Uma Vez Eu, Verônica, de Marcelo Gomes, Holy Motors, o novo de Leos Carax, precedido de elogios, e Elefante Branco, de Pablo Trapero, o diretor de Abutres.

#Leia a seguir as sinopses, conforme enviadas pelos exibidores, e veja os trailers dos filmes. Para saber mais sobre as estreias e pré-estreias, os filmes que continuam em cartaz, exibições e mostras especiais, além do horário, consulte Em cartaz, ao lado.

ESTREIAS

AS PALAVRAS (The Words)
De Brian Klugman e Lee Sternthal. EUA, 2012. Drama. 12 anos. Com Olivia Wilde, Zoe Saldana, Bradley Cooper, Dennis Quaid, Jeremy Irons e J. K. Simmons Rory Jansen. Um escritor, no auge de seu sucesso, descobre o alto preço que deve pagar por roubar o trabalho de outro homem. Estreia nacional.

 

CURVAS DA VIDA (Trouble with the Curve)
De Robert Lorenz. EUA, 2012. 12 anos. Com Clint Eastwood, Justin Timberlake, Amy Adams, Matthew Lillard, Robert Patrick, John Goodman, Cara Mantella e Chelcie Ross. Gus Lobel (Clint Eastwood) foi um dos melhores olheiros de beisebol por décadas, mas, apesar de seus esforços para esconder isso, a idade começa a afetá-lo. A diretoria do Atlanta Braves está começando a questionar seus critérios, especialmente com a mais disputada seleção de promissores rebatedores se aproximando. A única pessoa que pode ajudá-lo é também a única pessoa a quem Gus nunca pediria: sua filha, Mickey (Amy Adams).

 

DIA DE PRETO
De Marcial Renato, Daniel Mattos e Marcos Felipe. Brasil, 2011. Drama. 14 anos. Com Marcelo Batista, Vanessa Galvão, Guilherme Almeida. Um jovem negro luta pela liberdade ao fugir de seu patrão e de uma gangue, que estão em busca de uma relíquia sagrada roubada: um sino de ouro histórico, que tem ligação com o Rio de Janeiro do século XVII. Baseado na lenda do primeiro escravo alforriado no Brasil.

 

SELVAGENS (Savages)
De Oliver Stone. EUA, 2012 . 16 anos. Com Blake Lively, Taylor Kitsch, Aaron Johnson, Gary Stretch, Benicio Del Toro, Diego Cataño e Shea Whigham. Ben é um empresário e produtor de maconha. Com seu amigo Chon controla uma lucrativa indústria caseira, criando a melhor erva já desenvolvida. Eles também dividem um amor único por Ophelia. Tudo corre bem até que traficantes do Cartel de Baja aparecem e exigem entrar no “esquema”.

 

PRÉ-ESTREIAS

A ORIGEM DOS GUARDIÕES EM 3D (Rise of the Guardians)
De Peter Ramsey e e William Joyce. EUA, 2012. Livre. Animação baseada na série de livros ‘The Guardians of Childhood’, de William Joyce. Segue a história dos heróis da nossa infância. Papai Noel, Coelho da Páscoa e a Fada dos Dentes se unem para salvar o mundo do malvado Bicho-Papão. Ele pretende iniciar uma era da escuridão, que destruirá o sonho de todas as crianças.

 

ELEFANTE BRANCO (Elefante Blanco)
De Pablo Trapero. Argentina/ Epanha, 2012. 16 anos. Com Ricardo Darín, Martina Gusman, Jérémie Renier e Federico Benjamín Barga. Os padres Julián e Nicolas, junto da assistente social Luciana, lutam para solucionar os problemas sociais do bairro. Porém, seus esforços entram em conflito com a igreja, o governo, o narcotráfico e a polícia.

 

HOLY MOTORS (Holy Motors)
De Leos Carax. França/ Alemanha, 2012. 14 anos. Com Denis Lavant, Edith Scob, Eva Mendes, Kylie Minogue e Elise Lhomeau. Monsieur Oscar é um homem sombrio que viaja de uma vida para a outra. Ele alterna-se entre ser um assassino, um pedinte, um industrial, um monstro e um pai de família. Ele parece ser um ator representando, mas onde estão as câmeras? Oscar vaga acompanhado por Céline, que dirige o enorme carro que o transporta pelos arredores de Paris. Como um assassino que se move de morte em morte, ele persegue a beleza e o motor da vida, as mulheres e os fantasmas da sua memória.

 

ERA UMA VEZ EU, VERÔNICA
De Marcelo Gomes. Brasil, 12. 18 anos. Com Hermila Guedes, João Miguel, W. J. Solha, Renata Roberta e Inaê Veríssimo Recife. Verônica vive uma fase de transição. Sem tempo para a vida agitada que tinha quando era estudante, ela agora dedica ao trabalho em um ambulatório de hospital público. As condições são precárias e o cotidiano muito cansativo. Uma noite, ao voltar para casa, ela resolve usar o gravador para falar de seus próprios problemas. O início segue o melhor estilo dos contos de fadas, com o clássico “era uma vez”.